>Energias Renováveis . 167

>Por David Lucas, Engenheiro Civil

Geotermia

O planeta Terra é imensamente rico em recursos e fenómenos naturais. Um destes fenómenos prende-se com a actividade interna e com o calor existente no subsolo, a chamada geotermia. Esta capacidade de armazenamento/geração de calor traduz-se por temperaturas médias na superfície da Terra que chegam aos 140C (variando entre -600C e os +450C). Fazendo uma análise vertical dos estratos terrestres, verifica-se que as temperaturas podem chegar mesmo aos 7.7000C no interior da Terra.

Então, porque não aproveitar esta capacidade natural do planeta para a converter em energia? Energia geotérmica. Pensando um pouco neste tipo de energia, facilmente a associamos a locais onde seja mais fácil aproveitá-la (maior eficiência), como por exemplo solo vulcânico – que são locais onde a temperatura do subsolo próximo tem uma temperatura mais elevada. Nos Açores existem algumas centrais geotérmicas de elevada importância e que contribuem para uma grande parte da produção de energia eléctrica daquele arquipélago.

“Em termos globais, em 2010, as fontes geotérmicas foram responsáveis por 20,4 por cento da produção de energia no arquipélago, enquanto a hídrica e a eólica, no seu conjunto, representaram 7,6 por cento do total produzido”, refere-se em www.acorianooriental.pt.

As centrais geotérmicas fazem um aproveitamento da energia calorífica do vapor gerado, recorrendo a uma turbina para o converter em energia mecânica ou eléctrica. Deixando um pouco de parte os sistemas de grande porte (centrais), verifica-se que já podem ser colocados mini sistemas de geotermia a nível particular. Estes sistemas são constituídos por tubagens que são colocadas no subsolo verticalmente, ou horizontalmente, próximo de locais com níveis freáticos (lençóis de água) ou ainda com um aproveitamento aéreo (calor do ar).

Ainda não há muita informação relativa à eficiência deste tipo de sistemas, mas presumo que serão mais apropriados para locais onde o subsolo tenha uma intensidade calorífica maior (por exemplo, locais termais), ou onde as temperaturas ambientais sejam mais elevadas. Esta é mais uma forma de produção de energia “limpa”.

Fontes:

www.geotermiadeportugal.pt
www.acorianooriental.pt
www.aprh.pt

Partilhar/enviar/imprimir esta notícia:

2 Comments

  1. >Por não ser do seu domínio aproveito para fazer as seguintes correcções.Confunde geotermia com energia geotérmica. A geotermia é a designação usada para o conjunto das ciências e técnicas que estudam e exploram o calor terrestre ou energia geotérmica.O solo vulcânico não possui qualquer ligação com a exploração da energia geotérmica. Zonas afectadas pelo vulcanismo serão aquelas mais propícias para a exploração deste tipo de energia.E por fim, faltou referenciar os problemas associados a esta energia, nomeadamente, emissões consideráveis de CO2, escassez de locais que possibilitem a exploração deste tipo de energia e o risco de sismicidade elevado nos locais onde ocorra esta exploração.AtenciosamenteRomeu GerardoGeólogoEngenheiro do Ambiente

  2. >Agradeço o seu feedback Romeu,realmente não é a minha área de domínio, sou apenas um curioso pelo tema, ou temas, essencialmente no que diz respeito às energias renováveis.Relativamente à referência ao solo vulcânico compreendi (pelo seu apontamento) que não tem envolvimento directo na obtenção da energia geotérmica, mas sim as zonas afectadas por esse solo. Será isso? Não ficou muito claro.Agradeço também as correcções que me ajudaram a melhorar a percepção sobre o tema.Cumprimentos,David Lucas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *