Teste

Esta edição transpira de coisas boas, abrindo com uma tarde bem mexida e saudável na nossa colectividade e passando por festas e convívios desportivos, culturais e religiosos, até ao anúncio das primeiras festas de Verão na nossa aldeia. Mesmo quando os resultados não são animadores, há que ver o futuro …

187 – Editorial

As árvores não morreram de pé A frase “de pé, de pé, como as árvores” foi celebrizada pela fabulosa actriz Palmira Bastos em 1966, na peça “As Árvores Morrem de Pé”, gravada ao vivo e transmitida pela televisão do tempo do preto-e-branco, naquela que terá sido uma das suas melhores …

181 – Editorial

Programa das festas Luís Miguel Ferraz | Director Na última edição, partilhei com os leitores uma reflexão sobre as festas e romarias que marcam as nossas tradições e os nossos ritmos de Verão. Com ou sem reflexão, elas aí estão em força e há que usufruir, na medida das nossas …

Só dois disseram… “o que significa para si o Jornal da Golpilheira”

Dia Mundial da Liberdade de Imprensa “Um dia com os media” Na passada edição, pedíamos aos leitores que nos enviassem a resposta à questão “diga o que significa para si o Jornal da Golpilheira”. Tratava-se de uma iniciativa inserida na proposta nacional “Um dia com os Media”, que pretendeu mobilizar …

177 – Editorial

Laços que nos unem Partiram há anos, alguns já há várias décadas. Na maioria dos casos, à procura de oportunidades que não encontravam por cá, ou então para fugir de alguma situação menos cómoda, como a fome, o desemprego, a perseguição política ou até a integração num qualquer contingente de …

172 – Editorial

Luís Miguel Ferraz, director Já lá vão 15 anos! Há tantas frases-feitas que se podem escrever a propósito de um aniversário. São 15 anos de trabalho e dedicação a este jornal. São 15 anos de verdadeiro amor, dedicado a esta terra que é minha e a esta gente que sou. …

171 – Editorial

Luís Miguel Ferraz, director Outono e futuro Ainda no rescaldo das festas e das férias, a rota das rotinas entra-nos pela vida com o Outono. Trabalho ou aulas, horários apertados, múltiplas actividades, o dia-a-dia começa a moldar-se em ritmos conhecidos, normalmente apressados e distraídos. No horizonte, apenas nos liberta a …