Batalha em festa de 12 a 15 de Agosto

Batalha em festa de 12 a 15 de Agosto

GNR, Virgem Suta, Deolinda, Anakin, José Cid e folclore internacional

A edição de 2011 das Festas da Batalha volta a contar no seu programa com alguns dos nomes mais sonantes do panorama musical do nosso país, para além de um vasto conjunto de actividades lúdicas, culturais e desportivas.
Inseridas nas comemorações dos 626 anos da Batalha de Aljubarrota, o programa poderá ainda ser complementado com outras ofertas pela região, nomeadamente em Alcobaça, Porto de Mós e S. Jorge, como poderá conferir no sítio www.626aljubarrota.com.
Refira-se ainda que junto ao recinto funcionará a habitual Mostra das Actividades Económicas do Concelho, que envolve a participação de mais de uma dezenas de empresas de diversos sectores de actividade. E claro, lá estarão as diversas tasquinhas tradicionais, com petiscos e bebidas a servir por algumas associações concelhias.

Dia 12
A animação na Batalha começará pelas 20h30 do dia 12, com o grupo Terranova (Maceira) a tocar pelas ruas. Duas horas mais tarde, o palco será inaugurado pelos GNR, a carismática banda nortenha de Rui Reininho, que comemora agora os 30 anos de carreira.
É em 1981 que os GNR editam o seu primeiro registo em vinil – “Portugal Na CEE”. Desde então, não mais pararam de nos oferecer algumas das melhores canções de sempre da música Pop/Rock Nacional.
Em 2011 comemoram 30 anos de uma extraordinária carreira, com a reedição de toda a sua discografia, o novo álbum “Voos Domésticos”, que entrou directamente para o 1.º lugar do top de vendas, e dois concertos de aniversário nos Coliseus de Lisboa e Porto, agendados para Novembro.
Na Batalha, os fãs terão oportunidade de antecipar a festa, que ainda por cima é de entrada gratuita.

Dia 13
No dia seguinte, decorre na praça Mouzinho de Albuquerque, das 14h30 às 19h30, um torneio aberto de xadrez, bem como diversos apontamentos de animação de rua com o Grupo de Bombos do Paço (Canas de Senhorim).
Às 18h30, decorre na sala de sessões do Município a cerimónia de recepção aos grupos folclóricos que participam, a partir das 21h30, na XXVI Gala Internacional de Folclore da Batalha e que reúne os seguintes agrupamentos: Rancho Folclórico Rosas do Lena, Grupo de Canto e Dança ZAMOJSZCZYZNA (Polónia), Rancho Folclórico de Paranhos da Beira, Grupo Folclórico IZVORU SOMESULUI (Roménia), Grupo Folclórico Lavradeiras de Parada de Gatim (Minho) e Estampas Méxicas Ballet Folklórico (México).
A terminar a noite, o palco principal dos festejos recebe “Virgem Suta”, banda de Beja constituída por Nuno Figueiredo e Jorge Benvinda. Para quem não conhece, espere-se uma lufada de ar fresco, com tradição e portugalidade misturada em sons contemporâneos, com alguma ironia e bom humor.

Dia 14
No feriado concelhio, 14 de Agosto, o Museu da Comunidade Concelhia abre as suas portas gratuitamente, das 10h00 às 21h00, com visitas guiadas, decorrendo às 12h00, na Capela do Fundador, as habituais Cerimónias Civis e Militares.
O programa continua pelas 16h00, no auditório municipal, com o lançamento de duas obras. A primeira é “Portal de Santa Maria da Vitória e a Arte Europeia do seu Tempo – Circulação dos Artistas e das Formas na Europa Gótica”, da autoria de Jean-Marie Guillouët, com apresentação de Saul António Gomes. A segunda é “José Batista de Matos: Uma Vida de Militância Cívica e Cultural”, uma autobiografia que será apresentada por Moisés Espírito Santo.
Segue-se a sessão solene do Dia do Município, presidida pelo secretário de Estado da Administração Local e da Reforma Administrativa, Paulo Júlio, onde será apresentado o “Passaporte Cultural Batalha” e será inaugurada a Zona Desportiva da Vila.
Às 18h00, as ruas acolhem um desfile com a Fanfarra dos Bombeiros Voluntários da Batalha, decorrendo às 18h30, no pavilhão multiusos, mais um Encontro Anual de Emigrantes do Concelho.
Entretanto, no campo sintético decorre mais uma edição do Torneio de Futebol Inter-Freguesias “São Nuno de Santa Maria”, este ano aberto à participação de equipas femininas.
Às 21h00, o Rancho Folclórico do Penedo irá aquecer o público para a actuação das bandas Anakin e Deolinda. A primeira é um projecto de José Rebola, que com alguns amigos de Coimbra explora uma sonoridade folk e popular com um toque de inovação que não esconde o sabor do nosso som tradicional, rapidamente visível na empatia que cria com o público. A segunda anda pelas mesmas tónicas, ainda mais próximo do popular, sobretudo da canção de Lisboa. Com o nome já consagrado no mercado, Deolinda é na voz de Ana Bacalhau uma das refrescantes novidades aparecidas nos últimos anos, contagiante, alegre, imaginativa e muito “nossa”.

Dia 15
O último dia das festas reserva diversas actividades, com o desporto e o atletismo, em concreto, a ter lugar na Batalha, com mais uma prova de atletismo “Mestre de Aviz”. Aponte-se que no ano em curso a prova vai atribuir prémios monetários os atletas vencedores nos escalões principais.
Às 18h00, as praças Mouzinho de Albuquerque e D. João I acolhem um Desfile de Cabeçudos, seguindo-se a animação pela Filarmónica das Cortes.
Às 21h30, tem lugar uma representação etnográfica por um dos grupos estrangeiros da Gala, preparando o concerto final, a cargo de José Cid, um daqueles artistas cuja carreira dispensa apresentações.
Com uma enorme capacidade de se reinventar ao longo do tempo, é dos poucos da sua geração que pode gabar-se de estar sempre à tona da popularidade, algumas vezes controversa, mas sempre com um carisma que mantém e cativa fãs.
Espera-se uma noite bem animada e divertida, que tem fecho marcado a fogo de artifício.
Conferir cartaz na última página ou em www.festasdabatalha.com.


Torneio: Futebol masculino e feminino
“São Nuno Santa Maria”
Está a realizar-se no Campo Sintético Municipal da Batalha a terceira edição do Torneio de Futebol 11 “São Nuno Santa Maria”. Foram chamadas a participar, como sempre, as quatro freguesias do concelho da Batalha (Batalha, Golpilheira, Reguengo do Fetal e São Mamede).
O sorteio ditou que os dois primeiros jogos colocassem em confronto as seguintes freguesias: Reguengo do Fetal / Golpilheira e Batalha / São Mamede, com jogos marcados para o dia 6 de Agosto. Por razões que desconhecemos, a freguesia do Reguengo do Fetal não se inscreveu, pelo que a Golpilheira não jogou e passou de imediato à final da prova, que será jogada no próximo domingo, dia 14 de Agosto, às 20h30, contra a equipa de São Mamede, que venceu a sua congénere da Batalha por 2-1.
Este ano, pela primeira vez, há também um Torneio de Futebol de Cinco Feminino, com o mesmo nome. Os encontros a disputar no Parque de Jogos da Batalha são os seguintes: dia 12 de Agosto, às 19h00, Reguengo do Fetal / Golpilheira, e às 20h00, Batalha / São Mamede. No dia 13 de Agosto será o apuramento do 3.º e 4.º lugares, entre os vencidos dos dois primeiros jogos. No domingo, dia 14, às 19h00, será a final entre os vencedores dos mesmo jogos.
MCR

Centro de Interpretação da Batalha de Aljubarrota e Companhia Livre
Batalha de Albujarrota “ao vivo”

Aproxima-se a data comemorativa dos 626 anos da Batalha de Aljubarrota, decorrida a 14 de Agosto de 1385 no planalto de São Jorge, perto da vila da Batalha. Este ano, à semelhança de outros anos, o Centro de Interpretação (CIBA) promove um evento com o nome de “Quadros Vivos da Batalha Real”, que consiste em recriar momentos importantes da batalha, e toda a sua envolvência, em pequenos “quadros vivos”. Para tal contará com a colaboração da companhia residente do centro, a Companhia Livre, associação que se dedica à recriação histórica, especialmente ao séc XIV.
D. João I, o mestre de Avis, Leonor Teles e o conde Andeiro, D. Nuno Álvares Pereira, serão alguns dos personagens desta história aberta a todos os visitantes do centro no dia 14 de Agosto pelas 17h15.
Este evento contará com a participação de cerca de 50 homens de armas daquela companhia, bem como outros tantos voluntários que se queiram inscrever e participar nos “Quadros Vivos”, num total de 100 participantes.

Pela região…
• Dias 12 a 15 – Feira medieval da vila de ALJUBARROTA.
• Dia 13, 21h30 – Sessão de cinema ao ar livre com evocação da Batalha de Aljubarrota, seguida da actuação musical e lúdica do grupo medieval “Strella do Dia”, no castelo de PORTO DE MÓS.
• Dia 14, 10h00 – Comemorações e missa campal no campo de SÃO JORGE. No mesmo local, pelas 17h15, mostras de armas e recriação de algumas cenas do período medieval (1385).

Vila da Batalha – Feira Anual – Festas Populares
Ocorria o ano de 1948 e sentia-se ainda a euforia do final da II Grande Guerra. A Vila da Batalha, assim como o concelho, não fugiu à regra.
Uma vez que existia uma Feira Franca, no dia 14 de Agosto, instituída pelo rei D. João I em 1389, porque não criar umas festas na mesma ocasião? Seriam as Festas da Vila.
Foi por isso que um grupo de batalhenses de então resolveu criar as Festas da Vila da Batalha, nos dias 14 e 15 de Agosto, com o apoio da Câmara Municipal, então presidida por António de Almeida Monteiro, da Comissão Municipal de Turismo e dos comerciantes locais.
De 1948 até ao ano de 1960, as Festas da Batalha foram organizadas pelos batalhenses, com o apoio das entidades referidas.
Os batalhenses que compunham a comissão de Festas do Concelho da Batalha assumiam, através de documento escrito e assinado por todos, “a responsabilidade no pagamento de quaisquer débitos que porventura venham a haver com a realização das festas, entretanto com a quota parte”.
Sentiu-se então necessidade de criar um suporte institucional e jurídico, com vista à realização das Festas da Batalha, pelo que se integrou a Comissão de Festas como secção da Associação de Propaganda e Defesa da Região da Batalha, que, a partir do ano de 1961, assumiu a sua organização.
As Festas da Batalha eram conhecidas em toda a região Centro e muitos forasteiros aqui acorriam para ver “ao vivo” os artistas que gostavam de ouvir na rádio e, mais tarde, de ver na televisão.
Era aqui que se “tiravam dúvidas” quanto aos ídolos. “É mais alto do que parece na televisão!” ou então “É mais gordo do que eu imaginava!”, e como estes, muitos outros comentários se ouviam.
O espaço por detrás do Mosteiro, nas proximidades das Capelas Imperfeitas, era vedado e toda a gente tinha de pagar um bilhete de ingresso no recinto.
As festas eram anunciadas por toda a região por gigantones e gaiteiros, que se faziam transportar em pequenas camionetas dos comerciantes ou industriais da Batalha.
Ocupavam, habitualmente, três ou quatro noites, em torno dos dias 14 e 15 de Agosto – o dia 14 é Feriado Municipal e dia de Comemorações da Batalha de Aljubarrota.
O modelo destas festas manteve-se durante anos, até que, na década de 80, com as mudanças sociais então verificadas, o seu formato ficou ultrapassado, dando lugar ao modelo actual, dinamizado pela autarquia.

Texto do Postal editado para a exposição de 2010



Partilhar/enviar/imprimir esta notícia:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.