Misericórdias querem espiritualidade nos cuidados sociais e de saúde

Misericórdias querem espiritualidade nos cuidados sociais e de saúde

Os provedores e Mesas Administrativas das Santas Casas da Misericórdia da Diocese de Leiria-Fátima (Aljubarrota, Batalha, Fátima-Ourém, Leiria, Marinha Grande e Porto de Mós) reuniram-se, no passado dia 24 de Março, com o Bispo diocesano, D. António Marto.

Um dos assuntos em debate foi o pedido de colaboração da Diocese para que sejam prestados cuidados espirituais nas nas respostas sociais e de saúde prestadas em lares de idosos, unidades de cuidados continuados, centros de dia e serviços de apoio domiciliário destas instituições. Os responsáveis das Misericórdias constituíram um grupo de trabalho para estudar formas e iniciativas para proporcionar formação aos cuidadores, voluntários e famílias, fornecendo-lhes competências para prestarem cuidados espirituais às pessoas em sofrimento como ajuda que dê significado e esperança na situação em que se encontram. Deseja-se fazer destas instituições comunidades cristãs onde se vive a espiritualidade que dá consolação e fortaleza interior.

D. António Marto apresentou a carta apostólica “Misericordia et misera”, do Papa Francisco, sublinhando o desafio do Santo Padre no sentido de promover uma “cultura de misericórdia” e de atualizar com criatividade e ousadia as obras de misericórdia segundo as necessidades, sofrimentos e variadas situações de pobreza das pessoas no tempo atual.

Os responsáveis das Misericórdias partilharam alguns dos seus projetos e preocupações e manifestaram o desejo de que nas paróquias haja mais incentivo às pessoas para se tornarem irmãs e voluntárias nas Santas Casas. Foi também expresso o desejo de que as religiosas se envolvam nestas instituições como voluntárias, no âmbito da ajuda espiritual.

Fonte: Presente Leiria-Fátima

Partilhar/enviar/imprimir esta notícia:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.