>Desporto do Centro Recreativo Golpilheira

>Desporto do Centro Recreativo Golpilheira

>Futsal Feminino Sénior | A caminho do “tetra”…

PUB
Ad 13

Da forma como a nossa treinadora Teresa Jordão tem a equipa a jogar, é muito difícil pará-la. Como se pode ver pelos relatos que a seguir apresentamos, esta equipa está uma autêntica máquina de bem jogar futsal. Bem preparadas fisicamente, bem orientadas tecnicamente e com uma moral em alta, está esta equipa preparada para garantir já nos próximos quatro jogos o “tetra”. Desejamos-lhe o maior sucesso e quanto mais cedo melhor, para encararmos a fase final da Taça Nacional com grande optimismo.
Só é pena que estes jogos não estejam a ser disputados no nosso pavilhão (futuro), pois iria deliciar muito mais adeptos desta modalidade em geral e os golpilheirenses em particular. Esperamos que ele esteja concluído a tempo de esta equipa poder demonstrar nele toda a beleza do futsal e em particular o desempenho da equipa.

Golpilheira – 9
Pocariça – 0
O jogo disputado no dia 30 de Janeiro, no pavilhão da Batalha, previa-se algo difícil, pelo exemplo dos últimos anos. No entanto, as nossas jogadoras entraram decididas em resolver cedo. A Pocariça remeteu-se à sua defesa, espreitando o contra ataque. O desgaste provocado pela avalanche do nosso ataque continuado deu os seus frutos, com a obtenção na primeira parte de dois golos, por intermédio da irrequieta Carolina. A história do segundo tempo resume-se à obtenção de mais sete golos sem resposta. Irina, por três vezes, Jessica Pedreiras, Rita Eusébio, um auto-golo e Licas obtiveram os sete golos da etapa complementar.

Amarense – 0
Golpilheira – 5
O encontro disputado no dia 6 de Fevereiro, no pavilhão do Amarense, foi o primeiro da segunda volta e era muito importante vencê-lo. Após o apito inicial, constatou-se que a equipa do Amarense colocou todas as suas jogadoras na defesa da baliza. O seu principal objectivo era retardar ao máximo a obtenção do primeiro golo da Golpilheira. Mas a nossa equipa está preparada para desmoronar a estratégia defensiva de qualquer equipa. O nosso assédio à baliza adversária era incessante e as oportunidades sucediam-se. Quando não era a guarda-redes, eram os postes ou a ansiedade das nossas atletas a retardar a obtenção do tal golo. Mas, como diz o velho ditado, “água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”. Foi o que aconteceu. A experiente Irina, numa bela jogada, marcou o primeiro golo. A equipa do Amarense continuava com o “autocarro” a proteger as suas redes e em todo jogo não criou uma única oportunidade de golo. Ainda antes do intervalo, a jovem Jéssica Pedreiras marcou um belo golo de cabeça, respondendo a um excelente cruzamento da direita. Reatada a partida, apenas não se sabia quantos mais golos iríamos obter, uma vez que a nossa vitória não estava em causa. O sufoco atacante era tal, que o jogo se desenrolava totalmente no meio campo adversário. Carolina marcou por duas vezes e Irina fixou o resultado final em 5-0. Mais uma justa vitória, cujo resultado podia ser bem mais dilatado.

Taça Distrital
Amarense – 1
Golpilheira – 9
No dia 13 de Fevereiro, estas equipas voltaram a encontrar-se no mesmo pavilhão, desta vez numa eliminatória da Taça Distrital. Com a disputa dos dois jogos (juniores e seniores) no mesmo dia e à mesma hora, a nossa treinadora Teresa Jordão optou por acompanhar a equipa júnior a Segodim (onde venceu por 12-3). Mas mesmo sem a presença da treinadora, as nossas jogadoras demonstraram a sua real valia, colocando em campo a experiência adquirida ao longo dos vários anos que jogam juntas. Na primeira parte obtiveram cinco golos sem resposta, o que nos dava uma grande tranquilidade. No segundo tempo, baixaram um pouco o ritmo de jogo, mas mesmo assim não deixaram de marcar mais quatro golos, sofrendo apenas um. Estamos nas meias-finais, com as equipas dos Vidais, da Caranguejeira e do Louriçal, todas da Divisão de Honra. A nossa equipa júnior também está nas meias-finais, com as equipas do CEF-Fátima, do Portomosense e da União de Leiria. Esperamos ansiosamente pelo sorteio.

Golpilheira – 7
Louriçal – 0
O desafio disputado no dia 20 de Fevereiro, no pavilhão da Batalha, era encarado com grande apreensão, dada a dificuldade, na primeira volta, para ultrapassar esta experiente equipa do Louriçal. No entanto, a estratégia montada pela Teresa Jordão, assim como cumprimento exemplar das nossas atletas, acabou por facilitar muito a tarefa. O resultado diz tudo. Sete golos sem resposta, reflexo duma grande exibição da nossa equipa.

Falta uma vitória…
A nossa equipa está na frente do campeonato, com 12 jogos realizados, outras tantas vitórias, 36 pontos, 70 golos marcados e apenas 13 sofridos. No próximo dia 27, caso a vitória aconteça na Caranguejeira, ficará decidido o nosso primeiro lugar no campeonato desta época. Como a Golpilheira está a jogar, será muito difícil a Caranguejeira ultrapassar-nos. Por isso, vamos todos apoiar as nossas tricampeãs, no próximo sábado, dia 27, às 21h00, no pavilhão da Caranguejeira. Vai e leva um amigo. Comparece e leva a família toda.

Futsal Feminino Júnior | Esperança ainda marca pontos

Depois de um período menos bom, no início da primeira volta do campeonato júnior, a equipa neste momento está mais entrosada e com mais eficácia na finalização, como demonstram os últimos resultados. A sete pontos dos Vidais, mas com um jogo a menos, vem aí o mês das grandes decisões. Vamos jogar com a Academia da Caranguejeira, Portomosense, Vidais e CEF-Fátima.
Temos possibilidades de continuar a lutar pelo “hexa”, mas para isso é necessário vencermos estes quatro jogos, que se apresentam bastante difíceis. Recorde-se que perdemos em casa com os Vidais e também no CEF-Fátima.
Estamos também na luta pela conquista da Taça Distrital, prova na qual estamos nas meias-finais. Para continuar na senda dos êxitos, é preciso continuar a trabalhar, muita concentração e espírito de equipa. Nós confiamos que estas jovens, bem comandadas por Teresa Jordão, consigam os mesmos objectivos da época passada. A esperança é a última coisa a perder, por isso e como “a união faz a força”, o apoio dos nossos simpatizantes é imprescindível. Não se esqueçam de apoiar as nossas equipas. Todas elas merecem.

Futebol Escolas e Sub 13 | A importância da educação desportiva
A nossa equipa de Escolas tem dado muito boa conta de si. Treinada por Luís Rito, os seus atletas têm progredido muito desde o início da época. Como se diz na gíria, temos jogadores e temos equipa, com alguns jogadores tecnicamente bem dotados, desenvolvem no terreno de jogo um excelente futebol, digno de ser visto. Jogadas com cabeça, tronco e membros, que não é muito vulgar ver nestas idades.
Os resultados, nestes escalões, não são o mais importante. O objectivo principal é eles aprenderem, evoluírem, divertirem-se jogando sem pressões de qualquer tipo. Ninguém gosta de perder, mas para nós, neste momento, isso está em segundo plano. Temos muitos jogadores e não podem jogar apenas os mais dotados, naturalmente. Os outros também precisam de jogar, de se integrarem na equipa, para também evoluírem e se motivarem. Neste aspecto, não são os atletas que complicam. Por vezes, são os pais que querem “mandar” na constituição da equipa, dificultando a tarefa do treinador.
No primeiro torneio, em nove jogos, ganhámos sete e perdemos dois. Estamos à espera do segundo torneio, cujo início está marcado para o dia 6 de Março. Quanto à equipa de sub 13, treinada por Joaquim Vieira e Filipe Vieira, apesar da evolução dos seus atletas, os resultados desportivos não têm sido tão bons. Esta situação compreende-se, por dois motivos: em primeiro lugar, os atletas que integram esta equipa são, na sua maioria, sub 12; depois, como temos alguns sub 13 e temos apenas uma equipa, estamos integrados com as equipas “A” de outros clubes, cujos atletas, na sua totalidade, são sub 13. No entanto, os nossos atletas não esmorecem. Comparecem com ansiedade nos treinos, mas um ou dois, quando são os jogos, invocam algumas razões duvidosas para não irem. Nós percebemos. Estão um pouco traumatizados por estarem sempre a perder e por muitos….
Estamos agora na fase de encerramento, com as mesmas equipas do primeiro torneio, excepto as três primeiras. Neste torneio, pensamos que os jogos serão mais equilibrados, e podemos, inclusive, obter algumas vitórias.

Futebol Juniores Masculinos | Espera-se 2ª volta mais fácil
Com a passagem à segunda fase garantida muito cedo, o seu treinador, Jorge Rito, aproveitou para rodar a equipa. O desempenho por parte dos atletas a quem foi dado uma oportunidade não foi mau. Serviu para o Jorge encontrar mais soluções, uma vez que a 2.ª fase vai ser muito mais difícil. A prová-lo está a derrota sofrida no primeiro jogo desta fase, com a deslocação ao Bombarral.
Segundo o treinador, o resultado é enganador, pois “o árbitro anulou um golo limpo, que colocava o marcador em 1-1, ainda na primeira parte”. E como um azar nunca vem só, o Bombarral chegou ao 2-0 antes do intervalo. No segundo tempo reagimos e, apesar de termos sofrido mais um golo, marcámos dois. E poderíamos ter chegado ao empate, no último lance do desafio. Mas, na marcação de um canto, “um atleta nosso foi impedido de saltar dentro da área, quando se preparava para fazer golo”, volta a queixar-se o treinador. Mais um presumível erro do árbitro, com o qual temos de nos conformar. Bem ou mal, a equipa de arbitragem é que manda e não devemos reclamar, senão somos expulsos e lá vai o dinheiro das multas para a Associação de Futebol de Leiria…
É preciso que os nossos rapazes não desanimem e se unam em redor dos conselhos do Jorge Rito, para fazermos uma boa segunda fase.

Futebol de 11  | Veteranos | Vamos à Madeira!

Está confirmada a nossa ida à Madeira, mais concretamente à Calheta, nos próximos dias 16, 17 e 18 de Abril. Apesar da situação dramática ocorrida este mês naquela ilha, fazemos votos para que a situação melhore rapidamente e acreditamos que tudo possa decorrer da melhor forma.
Farão parte da comitiva diversos jogadores e directores, embora nem todos possam ir, por motivos profissionais ou outros. Os que forem irão saber honrar a nossa equipa e a nossa Associação e prestigiar a nossa freguesia e o Concelho em geral.

Caranguejeira – 1
Golpilheira – 0
O encontro realizado no dia 13 de Fevereiro, no campo relvado da Caranguejeira, foi muito equilibrado, com oportunidades de golo para ambas as equipas.
Acabou por ser mais feliz a equipa da casa, que num lance feliz conseguiu marcar o solitário golo com que nos venceram.
Na terceira parte, fomos nós os melhores, até porque éramos muitos mais do que os da casa: jantar bem servido, que deixou todos satisfeitos.

Golpilheira – 0
Boa Vista – 5
Este desafio teve lugar no campo sintético da Batalha, no dia 20 de Fevereiro. Tal como no primeiro jogo, veio ao de cima a maior juventude da equipa forasteira. Em certas alturas do desafio ainda demos alguma réplica e podíamos ter marcado alguns golos, não fora uma grande exibição do guarda-redes da equipa contrária. Na primeira parte já venciam por três a zero. No segundo tempo obtiveram mais dois golos, sendo o último de grande penalidade. Vitória justa da Boa Vista, mas por números exagerados. Jantar bem servido no nosso Restaurante Etnográfico, que a todos muito agradou.

Textos de Manuel Carreira Rito

Partilhar/enviar/imprimir esta notícia:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.