>Peregrinação Diocesana a Fátima: D. António falou do “rosto da Igreja” como sinal de comunhão

>Peregrinação Diocesana a Fátima: D. António falou do “rosto da Igreja” como sinal de comunhão

>No passado domingo a igreja diocesana viveu um dos momentos altos da sua caminhada anual. Foi a 79ª peregrinação a Fátima, que mobilizou perto de 50.000 fiéis, que quiseram viver este momento de forma mais activa e próxima. Muitos foram os que se deslocaram a pé, percorrendo os caminhos que os levaram até ao altar do mundo. Os jovens estiveram em actividade durante a tarde de sábado, numa experiência singular, que se prolongou pela noite dentro com aproximadamente 200 jovens em vigília.

Com o tema geral “Viviam unidos e punham tudo em comum”, o ponto alto da peregrinação foi obviamente a celebração da Eucaristia na manhã de domingo. Com o sol a espreitar por entre as nuvens, o recinto do Santuário viveu uma experiência de igreja visível na sua multiplicidade de cores, ambientes e idades. Na homilia, D. António começou por sublinhar a importância desta reunião e encontro dos fiéis, unidos na oração ao presbitério: “não sei se sou capaz de transmitir a emoção que senti quando viemos em cortejo da igreja da Santíssima Trindade para a Capelinha das Aparições, numa caminhada litúrgica que se torna sinal bem visível da Igreja que somos”.

Depois de uma calorosa e amistosa saudação dirigida aos mais pequenos, aos jovens e aos escuteiros, D. António fez referência às muitas “cartas de comunhão”, redigidas por estes na véspera, tendo referido que as lera todas e encontrara nelas expressões de alegria pela fé, juntamente com incertezas e alguns medos. A todos exortou então para que “não tenham medo de viver a fé e dela dar testemunho nos mais variados ambientes”.

No contexto da liturgia do 5º domingo da Quaresma, e tendo presente as leituras lidas na celebração, o bispo ofereceu uma emotiva meditação sobre a Igreja, seu sentido e papel na sociedade moderna, tendo em conta a visão do Pastor de Hermas que nos fala da Igreja a partir de uma visão: “Hermas, o pastor, vê uma velha que caminha segurando um livro na mão. Interroga-se sobre a identidade da personagem e descobre nela o rosto da Igreja. Interroga-se, depois, sobre o livro que ela segura, e descobre nele o livro do amor de Deus para com a humanidade”. Neste contexto, D. António alicerçou a Igreja no projecto de Deus que “consiste em fazer uma grande família de paz e amor. Como? A essa questão respondem as leituras que ouvimos”. Comentando a liturgia da palavra, o prelado apontou algumas das características próprias da identidade e da essência da Igreja: “ela é, antes demais um povo. Mas não um povo qualquer; é um povo que fez aliança com Deus; um povo que é peregrino, e por que é peregrino vive a esperança, que é uma certeza, de que Deus está sempre presente na sua vida. Uma presença que se faz sentir na Palavra que dirige, na celebração dos sacramentos, na oração, mas sobretudo, uma presença que sente no amor que Ele distribui a todos”. Neste sentido, D. António referiu a experiência de Paulo, o apóstolo, de que falava a segunda leitura, como a experiência de alguém que se deixa tocar e encantar por esse amor de Deus.

Experiência idêntica à da mulher que no Evangelho se deixa encontrar face a face com Jesus. “É o amor misericordioso de Deus que salva aquela mulher; um amor que relança a pessoa num caminho novo – vai e não tornes a pecar. A Eucaristia torna-se o lugar de encontro do amor de Deus”.

Comovido e tocado por este amor, D. António referiu-se bem alto à “beleza do amor de Deus que é maior, muito maior, que o nosso pecado. Há no nosso coração e na alma feridas, que só são curadas pelo perdão misericordioso de Deus. Para lá dos tratamentos do psicólogo, está o tratamento deste amor de Deus. Deus sabe que em cada homem ou mulher derrotado pelo fracasso há um filho que Ele ama. A Igreja é esta casa da misericórdia, onde cada pessoa se sente acolhida e amada”.

Para ser dos homens, para os homens e com os homens, a Igreja precisa ser de Deus, para Deus e com Deus.

Relembrando o centenário do nascimento de Jacinta Marto, terminou apontando-a como exemplo para aprendermos “a amar a Igreja, estimando-a e acarinhando-a”.

Rui Ribeiro

Festa-Mensagem Evocação dos Pastorinhos
“Apaixonar-se pelo coração eucarístico de Jesus e fazer dele o centro da vida”

Após o almoço, cerca de mil pessoas participaram na festa-mensagem com que encerrou esta peregrinação, no Centro Paulo VI. Este ano, em que se celebra o centenário do nascimento da Jacinta, o encontro tomou a forma de uma evocação da Pastorinha.

Na ocasião, a vice-postuladora da causa de canonização dos Pastorinhos de Fátima, irmã Ângela Coelho, apresentou uma biografia resumida da Jacinta, salientando o facto de “ser uma criança normal, com os seus defeitos e egoísmos”, mas também com uma surpreendente capacidade de, aos 7 anos, “apaixonar-se pelo coração eucarístico de Jesus e fazer dele o centro da sua vida”. A partir daí, foi “um verdadeiro exemplo de amor à oração e de entrega solidária, mesmo nos momentos de maior sofrimento”.

A irmã Ângela frisou, depois, que o mais importante da evocação é a descoberta dos desafios que esse exemplo da Jacinta nos levanta. “O primeiro desafio é o de fazermos do coração de Deus o centro da nossa vida”, com um sentido de compromisso para “sermos testemunhas da esperança”. E, tal como pede o nosso Bispo na Carta Pastoral para este ano, com coragem para “irmos ao coração da Igreja, imitando o sentido de pertença à Igreja que teve Jacinta Marto, sobretudo pelo amor ao Santo Padre, que também nós somos convidados a acolher de forma especial este ano em que nos visita em Fátima”.

A vice-postuladora terminou com esse convite específico a “acolhermos e amarmos o Santo Padre” e com um desejo de que se cumprissem as palavras de João Paulo II a propósito da Pastorinha de Fátima: “que a Jacinta seja uma luz amiga a iluminar o mundo e, em particular, cada um dos diocesanos de Leiria-Fátima”.

A festa contou com a participação da Schola Cantorum “Pastorinhos de Fátima”, dirigida pelo maestro Paulo Lameiro, acompanhada por um ensemble instrumental de sopros e percussão, tendo como solistas a soprano Isabel Catarino, Alberto Roque ao saxofone e João Santos ao Órgão. A abertura musical foi com o Hino dos Pastorinhos e a peça principal foi o “Te Deum” de Paulo Lameiro.

Foi um “momento musical de altíssimo nível a encerrar esta bela jornada”, como salientou D. António Marto na sua palavra final aos peregrinos. Desejando a todos que “a mensagem deste dia se estenda em sinais de esperança por toda esta Igreja particular de Leiria-Fátima”, o Bispo presidiu à oração de agradecimento a Deus pelo dom da Peregrinação, o último acto comunitário do programa.

Luís Miguel Ferraz

Partilhar/enviar/imprimir esta notícia:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.