>O Mosteiro da Batalha segundo D. Fernando de Menezes, conde da Ericeira

>O Mosteiro da Batalha segundo D. Fernando de Menezes, conde da Ericeira

>Por Saul António Gomes
D. Luís de Meneses, terceiro conde da Ericeira, pertencia à grande nobreza de Portugal. Nasceu em 1632 e desempenhou, nas guerras da Restauração, cargos relevantes ao serviço da Coroa. Notabilizando-se por feitos militares, foi igualmente respeitado pelos seus dotes de governante, mormente como vedor da Fazenda, assim como apreciado pela craveira de escritor e historiador. Desiludido com o aparente insucesso das suas políticas de foro económico, viria a suicidar-se em 1690.

A sua historiografia tem tanto de memorialístico, quando escreve sobre as campanhas militares em Portugal e em Angola, da Guerra da Restauração, como de exaltação e encómio dos valores pátrios, caso do que se verifica na biografia que dedica a el-rei D. João I. É autor da História de Portugal Restaurado, saída em Lisboa, em dois volumes, justamente em 1679 e 1698.

De 1677 é a publicação da sua obra intitulada Vida e Acçoens d’El Rey Dom João I, que dedicou à memória do príncipe D. Teodósio. Cumpria ao ideário português de D. Fernando de Menezes o louvor sem reservas da nação lusitana, entretecendo-o tanto pela sua vida de militar e político, como se referiu, como pela escrita empenhada e interventiva da sua história.

D. Fernando de Menezes conhecia bem o Mosteiro da Batalha. Como vedor da Fazenda tinha acesso ao mapa económico de tenças e padrões régios que a Coroa canalizava para o sustento material e manutenção da casa dominicana. Como historiador, a descrição que nos deixou do monumento, conquanto inspirada e devedora daquela que, anos antes, se tornara cristalina e de referência maior, devida a Fr. Luís de Sousa, não deixa de evidenciar particularidades sensíveis a um membro da grande nobreza e a um estratega militar de eleição.

Do edifício tanto nos deixa uma apreciação estética, quanto enquadra pormenores pertinentes aos modos de circulação pelo mesmo, aos acabamentos da estrutura arquitectónica, à paisagem lumínica provocada pelos vitrais que reiteradamente admira. E, nestes, aponta a informação, a todos os títulos importante, de coincidirem, na Capela do Fundador, os túmulos e capelas funerárias dos jazentes nela recolhidos com os padrões pictóricos, de heráldica e divisas, patentes nas vidraças dessa santa sala, dado praticamente ignorado hoje em dia.

Documento

1677 — Descrição do Mosteiro da Batalha por D. Fernando de Menezes, conde da Ericeira.
Pub.: Dom Fernando de Menezes, Conde da Ericeyra, Vida, E Acçõens D’El Rey Dom João I, Offerecida à Memoria Posthuma do serenissimo Principe Dom Theodosio. Lisboa: Officina de João Galrão, 1677, pp. 413-425.

“Para alivio do Povo, se dispoz o enterro com a mayor pompa, e ostentação, que em Portugal se tinha visto. Levouse o corpo em hombros d’El Rey e dos Infantes com assistencia de toda a Corte, Prelados, e Religiosos á Sé de Lisboa, aonde se colocou em huma essa sumptuosa. Depois de feytos solemnemente os primeyros officios, se trasladou ao Convento da Batalha, vinte legoas distante, como ordenava [p. 414] nava o testamento, saiu da Cidade em hum carro triumphal, que tiravão quatro cavallos, que outros seguião, levando differentes Ministros as armas do defuncto, que naquelle Mosteyro como reliquias se conservão. El Rey, os Infantes, e toda a Corte a pé, e em habito lugubre acompanharão o carro até o ultimo da Cidade, e depois subindo a cavallo com os Prelados e Religiosos se continuou o caminho na mesma fórma. Nas principaes Igrejas dos lugares a que se chegava, estavão prevenidos tumulos, e officios. Velavase o corpo de noyte, repartindo-se este cuydado pelos Infantes, com precedencia dos Mayores, e assistencia dos Prelados e Religiosos a que tocava. Ultimamente chegou o corpo ao Convento da Batalha, aonde entrou com a mesma pompa que se vio em Lisboa; depois de se fazerem as exequias com a mayor solemnidade foy sepultado no mesmo sepulchro com a Rainha Dona Philippa 1 sua mulher na capella, que fabricou para este intento.

E para que se conheça mais claramente o generoso animo de hum Principe, que passou a mayor parte da vida nas guerras e trabalhos, que a sua historia nos representa, daremos desta fabrica, em que levantou hum sagrado trofeo das suas victorias breve noticia tirada da elegante e copiosa descripção, que faz de toda ella hum dos Authores2 mais graves da nossa nação, e que pode competir com os que a fama celebra com [p. 415] com mayores aplausos. 3 Determinou El Rey comprir o voto, que fez a Nossa Senhora o dia da batalha de Algibarrota, de lhe levantar no mesmo sitio hum templo sumptuoso, se alcançasse a victoria. Para desempenho desta promessa, que não quis dilatar, elegeo o sitio, que lhe pareceo mais accomodado naquella campanha seca, e esteril pela vizinhança da serra de Minde que lhe communica as suas qualidades; por este respeyto elegeo para a fabrica do templo o sitio, que rega huma ribeyra, que o faz mais fresco, e aprazivel, pois sem esta commodidade, se conservarião com difficuldade Religiosos, e moradores; fica distante duas legoas da Cidade de Leyria, pouco mais da Villa de Algibarrota, meya de Porto de Mós, que com outros lugares daquelles contornos fazem este abundante de tudo que necessita para regalo e alimento, e o fazem hoje mais celebre minireaes de Azeviche, que se lavra nelle com primorosa industria. Para que fosse a fabrica mais insigne consultou El Rey os Architectos naturaes, e estrangeyros de mayor nome, e elegeo entre os desenhos, o que lhe pareceo mais magestoso. Fez a Igreja de trezentos palmos até a capella mór, que tem mais sessenta, a largura de cento com a altura proporcionada, que augmentando-se do pé direyto com as abobedas tem o mayor auge de cento, quarenta e seis palmos, dividese todo este corpo em tres naves com justa proporção que se sustentão [p. 416] tão com pedestaes de marmore branco, e bem lavrado, como he toda a obra, que não descobre outra materia, beneficio daquellas serras que a produzem em abundancia, e de calidade, que sendo branquissima na cor, e quasi eterna na duração, admitte com facilidade as formas que a industria lhe imprime. O cruzeyro corresponde á mais obra com justa grandeza, e assim elle como a capella mór, e corpo da Igreja recebem tanta claridade do grande numero e grandeza das janelas, que cubertas de vidraças finas, illuminadas de varias cores, e pinturas, quando as fere o Sol fazem quasi hum corpo luminoso, e he tal o primor com que os artifices as segurarão, que passando muytas de quarenta palmos de altura, e as menores de vinte, se conservão quasi illesas das injurias dos tempos, que naquelle sitio sogeyto aos ventos furiosamente as combate, e para reparar qualquer perjuizo tem official perpetuo que as reforma.

No lado direyto do corpo da Igreja se abre hum arco, dentro do qual se inclue huma capella que El Rey elegeo para sepultura, e de seus filhos, deyxando a mayor a El Rey Dom Duarte. He huma quadra de noventa palmos da mesma fabrica, cuberta de abobeda, que com primoroso artificio, se levanta sobre oyto pilares, que subindo em fórma oytavada até noventa e dous palmos faz hum pavilhão, ou docel artificioso, que cobre a sepultura Real, que está no meyo levantada, [p. 417] tada, e se compoem do mesmo marmore lavrado sutilmente em hum silvado de meyo relevo com espinhos e amoras, e a espaços huma letera Francesa: Il me plait pour bien. Que se interpreta pela sarça de Moyses, e aspereza dos espinhos, sem os quaes se não logrão as Coroas, mostrando no que a letra significa, contentame por bem. He rodeada esta capella das mesmas luzes, com mayor elegancia fabricadas, ornase com hum altar no frontespicio e outros na face dos pedestaes, rodease de sepulchros mais humildes da mesma obra, com lavores, e emprezas diversas, em que estão os Infantes seus filhos nos lugares, que conforme a preferencia dos annos lhe pertencem, vendo-se nos Altares, e vidraças que lhe respondem as suas Armas, e divizas. Sobre o sepulchro d’El Rey, que se levanta com competente altura, está a sua estatua de inteyro relevo armada, fóra a cabeça, e junto delle a da Rainha da mesma obra, e he tão grande a Magestade, e artificio desta capella, que causa veneração aos que a reconhecem.

A parte exterior do templo não deyxa menos que admirar; porque o frontespicio, que sobre a porta principal se levanta em altura immensa, he tão ornado de estatuas; e lavores artificiosos e delicados, que servem mais a admiração que ao discurso, fica no meyo delle, e dando mais luz ao templo hum espelho circular de obra de pedra tão sutil e miuda que se não [p. 418] não pudera exprimir com tanta elegancia na materia mais docil; os vazios que as pedras permittem occupão vidraças do mesmo artificio que as outras, e como fere nelle o Sol em nascendo, parece que outro serve de illuminar aquelle templo. Toda a immensidade desta fabrica exterior cobrem os mesmos marmores, e sobre elles se levantão, quasi em fórma piramidal, tres Zimborios de obra tão primoroza, que augmentando a Magestade do edificio, influem nova admiração: da mesma materia são as telhas com que se cobre, e as escadas com que todo este edificio se communica, sobindo humas dos lados da Igreja dissimuladas entre a grossura da muralha; saindo outras mais suavemente das officinas superiores do Convento, e todas guarnecidas de cordões de pedra, e tarjas floreadas sobem e communicão as mais superiores eminencias deste sumptuoso edificio, que excedeo sem duvida os mayores, que naquelle tempo se edificarão, e póde competir, com os que agora no Mundo causão mayor admiração. A grandeza da obra corresponderão os ornamentos, alguns delles tão preciosos, que por se não poderem sustentar pelo grave pezo dos borcados e guarnições de ouro e prata de martelo, consumida com o tempo a seda, se converterão em outros usos necesarios. Forão infinitos os vasos sagrados, corpos de Santos, alampadas, cruzes de ouro, e prata para que em tudo se mostrasse [p. 419] trasse a grandeza de hum Rey tão magnanimo como devoto. O que deu mais lustre a este Convento forão, as preciosas Reliquias, 4 que mandou a El Rey, o Emperador Paleologo, vindo a França a pedir soccorro contra os Turcos, da vestidura de Christo, do Santo Lenho, e outros que se conservão com a mesma carta do Emperador do anno de 1401.

Ostentão a mesma grandeza todas as mais officinas interiores, que não permitte descrever a brevidade que professamos, só não parece justo passar em silencio a fabrica do Capitulo, que he huma das mais estranhas, que o Mundo celebra. No lado do Claustro principal, que he da mesma obra e delicadeza de lavores, ornado com hum jardim e fontes, que o fazem mais aprazivel, está o Capitulo, que he hum quadro de oytenta e sinco palmos da mesma pedraria cuberto de huma abobeda tão estranhamente fabricada, que ficando pela parte superior toda igual sem volta nem columna ou pedestal, que a sustente, admira os Architectos mais insignes, parecendo impossivel que naquella fórma se fabricasse. Fóra do corpo principal do templo, mas unida com elle, se ve huma capella que ficou imperfeyta, e mostra ser destinada para enterro dos reys de estructura e lavores tão sutis e admiraveis, que intentando-se depois, não houve officiaes, que se atrevessem a rematala com igual perfeyção, mostrando este principe nas acções que obrou e [p. 420] e nas obras que fez, que era impossivel competilo, quanto mais excedelo, assim remataremos este discurso com o seu Epitafio que atras promettemos, e reservamos para este lugar por ser largo, e não interromper a historia, cujo credito fica com elle seguro.

(…)5.

[p. 424] Este Epitafio escrito sem a elegancia e pureza da lingoa latina, com que outros se compuzerão, referindo com verdade as acções deste principe, he o seu mayor elogio, e o não offerecemos traduzido, assim por ser claro, como porque se póde ver no author citado, e não he justo offender com traducções a energia e significação das palavras proprias, e ainda que nos insitava o desejo continuar o discurso, não parecendo possivel reduzir successos tão grandes a summa tão breve representados nella como em Mapa, servirá o de mostrar aos Principes o caminho por que [p. 425] que se alcança o amor dos subditos, o temor dos inimigos, e a segurança da Republica: de animar os timidos para que assistão á defensa da Patria com todo o affecto, e ainda que nos principios se representem difficuldades, que pareção invinciveis, tenhão por certo, que sendo a causa justa hão de conseguir com a divina assistencia glorioso remate.

Assim acabaremos com hum parallelo entre El Rey Dom João, e Julio Cesar, pois não tiverão nas suas acções menos semelhança. Que Romulo e Theseo, Marcello e Pelopidas, Annibal e Scipião, Lizando e Sylla, Eumenes e Certorio, Agicilião e Pompeo, e outros Heroes que os antigos comparárão.”

Notas

1 Na margem esquerda da página: “Sepultase com a Rainha no Convento da Batalha.”

2 Na margem esquerda da página: “Frey Luis de Souza, Chronica de S. Domingos, I parte.”

3 Margem direita da página: “Noticia descriptiva do Convento da Batalha.”

4 Na margem direita da página: “Reliquias deste templo.”

5 Segue-se, entre as páginas 420 e 424, a transcrição do epitáfio latino patente no túmulo de D. João I, já publicado por Fr. Luís de Sousa, de cuja lição, cremos, o Conde da Ericeira o retira.

Partilhar/enviar/imprimir esta notícia:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.