Candidatura de Leiria a Capital Europeia da Cultura não foi escolhida

Candidatura de Leiria a Capital Europeia da Cultura não foi escolhida

A candidatura que tem Leiria como primeiro responsável não foi umas das escolhidas pelo júri para ser sujeita a uma derradeira seleção.

O compromisso da Rede Cultura 2027 será ajustado, mas a responsabilidade assumida em 2019 não será afetada.

Sem a comparticipação dos fundos a que o título de Capital Europeia da Cultura daria acesso, o modelo de financiamento da Rede será revisto. As equipas de trabalho constituídas manter-se-ão em atividade.

De 8 a 10 de março, as 12 cidades portuguesas candidatas tiveram a oportunidade de apresentar e defender as suas candidaturas perante um Painel de Especialistas internacional.

No dia 11 de março, e após deliberação do Painel de Especialistas, decorreu também no CCB, uma conferência de imprensa, onde Beatriz Garcia, a presidente do referido Painel, anunciou a “short-list” das quatro cidades que passaram à fase final da competição: Aveiro, Braga, Évora e Ponta Delgada. Estas terão agora a oportunidade de acolher as recomendações do Painel de Especialistas e de reverem as suas candidaturas, com vista à seleção final.

A seleção final e o anúncio da Capital Europeia da Cultura 2027 estão previstos que ocorram no fim de 2022.

A candidatura de Leiria a representar em 2027 Portugal no programa da Comissão Europeia denominado Capitais Europeias da Cultura foi tornada pública em 2016.

De então para cá o município de Leiria empenhou-se em construir um projeto de raiz, sólido, suscetível de ganhar a adesão de um vasto território social e institucional e de mobilizar e densificar a sua capacidade criativa. Este esforço foi discutido e mereceu a adesão de 25 municípios distribuídos por 3 comunidades intermunicipais distintas (Leiria, Oeste, Médio Tejo), 2 politécnicos (Leiria e Tomar), uma associação empresarial (o NERLEI) e a diocese de Leira-Fátima.

Em princípios de 2019, estas entidades formaram a Rede Cultura 2027, assinando um manifesto, constituindo o seu modelo de governação e realizando o seu primeiro Congresso no ano seguinte.

Foi já neste enquadramento que se constituíram as equipas de trabalho que escutaram os agentes e criadores do território, estabeleceram plataformas de ação e desencadearam a formação de redes específicas, daí resultando o programa de candidatura que foi submetido ao júri internacional nomeado pela Comissão Europeia para deliberar sobre aquela que virá a ser indicada por Portugal. Esse documento tem como título Cuidar do Comum.

Fonte: Rede Cultura 2027

Partilhar/enviar/imprimir esta notícia:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.