São Bento festejou Nossa Senhora da Esperança

A igreja de São Bento acolheu a última das festas de Verão da Comunidade Cristã da Golpilheira, nos dias 2 a 4 de Setembro, em honra de Nossa Senhora da Esperança.

A Comissão de Festas, constituída pelos cinquentões, nascidos em 1967, preparou e organizou um bom programa, contando com a colaboração da Comissão da Igreja de São Bento e muitas dezenas de voluntários que deram corpo aos vários serviços do arraial. O resultado foi uma bonita festa, com a afluência de várias centenas de pessoas durante os três dias, enchendo bar, restaurante, quermesse, café da avó e o engalanado recinto de arraial.

Destacamos alguns pormenores da decoração que marcaram pela novidade, o mais evidente dos quais foi a “cobertura” do adro da igreja feita com chapéus de chuva, que valeram sobretudo como chapéus de sol. De facto, apesar da ameaça de alguns chuviscos no último dia, o tempo manteve-se sempre quente e as noites muito agradáveis. Outro pormenor foi a presença de um testo gigante que integrou o desfile de Carnaval deste ano e que foi reaproveitado para receber as dedicatórias e autógrafos dos presentes.

Quanto ao programa religioso, começou logo no sábado com uma celebração mariana e teve o seu momento alto na Missa da festa, no adro, presidida pelo padre João da Felícia. Este missionário da Consolata é natural da Golpilheira e está de visita à sua terra para um tempo de férias, depois de quatro anos sem vir a Portugal. Na sua homilia, falou da importância de confiarmos sempre em Deus, que nos dá tudo o que precisamos e conduz a nossa vida como Pai carinhoso, mesmo quando pensamos que podemos “fugir” d’Ele ou que somos nós que controlamos o nosso destino. Deu como exemplo São Bento, que deixou tudo por amor ao Evangelho e se fez eremita, acabando por se tornar no pai de uma grande família de monges, da ordem dos beneditinos, que tem conventos com milhares de frades por todo o mundo. Depois, deu o exemplo da sua própria vida de 50 anos de entrega ao sacerdócio e à missão, sendo feliz em ir por Deus o leva a anunciar a Boa Nova aos mais pobres.

Após a Missa, seguiu-se a procissão pelas ruas do lugar, com grande participação de povo, acompanhando os andores e as ofertas, ao som da filarmónica “Os Clássicos de Pataias”. Na segunda-feira, houve também Missa, pelas intenções dos que colaboram nos festejos e em memória dos festeiros já falecidos que fariam cinquenta anos em 2017.

Também a animação musical esteve sempre bem assegurada, com a Banda Kroll no sábado, a Banda Acesso no domingo e o duo ibanda.pt na segunda-feira. Nesta última noite fez-se o sorteio de rifas e a entrega da bandeira, que foi asseguradas por dois grupos de jovens: os nascidos em 1968 e os nascidos em 1998. Os que se despediram agradeceram a colaboração e a presença de todos, os que assumiram a responsabilidade para o próximo ano afirmaram contar com a mesma colaboração. E anunciaram desde logo a data da festa para os dias 25 a 27 de Agosto de 2018. E um vistoso fogo-de-artifício encerrou os festejos.

Para mais tarde recordar, deixamos a ligação para as fotos tiradas durante estes dias pela reportagem do Jornal da Golpilheira. Aproveitamos para informar que quem tiver mais fotos que queira partilhar, poderá enviar pelo site www.wetransfer.com para o email geral@jornaldagolpilheira.pt.

Ver fotos:

Partilhar/enviar/imprimir esta notícia:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *