>Corso batalhense – Carnaval das 7 maravilhas

>Corso batalhense – Carnaval das 7 maravilhas

>Cumprindo a tradição dos últimos anos, a vila da Batalha recebeu nas suas ruas um corso de Carnaval, na tarde de domingo, dia 18 de Fevereiro. Sem recorrer a vedetas externas ou a grandes orçamentos de animação, são as escolas, ATL e colectividades do concelho as convidadas a animar o desfile e as várias centenas de pessoas que se juntam para o ver passar.
Este ano, respondendo ao apelo da autarquia, muitos foram os que adoptaram o tema das “7 Maravilhas de Portugal”, cuja votação está a decorrer até Julho, onde o Mosteiro da Batalha e os seus frades, canteiros e outras personagens a ele ligadas estiveram em destaque.
Mais uma vez, foram sobretudo as crianças a fazer a multidão, graças à participação de algumas centenas de alunos do Colégio de São Mamede e de outras tantas de alguns centros de ATL do concelho. Foi o caso da Golpilheira, com a presença dos dois grupos das ATL, conduzidos pelas animadoras, auxiliares, pais e o professor Manuel, que tomou a boa iniciativa de se juntar à festa. Os mais novos foram trajados de bonecos de neve, bem branquinhos e de nariz de cenoura espetado. Os mais velhos vestiram a pele de frades, a lembrar o passado das ordens religiosas que habitaram a nossa região, embora o fato fosse mais parecido com o dos franciscanos do que com o dos dominicanos. Mas era Carnaval, ninguém podia levar a mal…
Uma das constatações foi, no entanto, a menor participação das colectividades. Nem o Centro Recreativo da Golpilheira apareceu este ano. Todos sabemos o trabalho que dá preparar um grupo para esta festa, e como calha sempre aos mesmos a tarefa, mas é uma pena não se conseguir encontrar maneira de motivar a uma maior participação no futuro, pois é na variedade e qualidade do corso que reside o seu sucesso e a continuidade da vinda dos que nele participam e dos que nos visitam para a ele assistirem.
Já que a grande maioria dos foliões eram crianças, quem sabe se a aposta não deverá ser numa maior animação direccionada para essa faixa etária, pois sabemos que com as crianças vêm sempre muitos adultos. Se houver algumas actividades que as incentivem a permanecer antes, durante e depois do desfile, poderemos vir a ter condições para oferecer um “Carnaval dos pequeninos” que marcará a diferença na região.
Não havendo essas condições para atrair os mais novos, os adultos também não se ficaram por muito tempo no baile que se seguiu, no pavilhão multiusos. Algumas dezenas de pessoas ainda ficaram para conhecer os premiados. Em primeiro lugar ficou a Sociedade Recreativa Relvense, que trouxe um carro alegórico e um numeroso grupo de “estudantes de Coimbra”. Em segundo lugar foram classificados os “cabeçudos” do rancho folclórico Rosas do Lena e o terceiro prémio foi atribuído aos “padres e freiras” da associação da Rebolaria e ao seu carro alegórico com uma maqueta da igreja de Santo António, apresentada como candidata às 7 maravilhas do concelho. Depois do anúncio dos premiados e das palavras de agradecimento do presidente da Câmara da Batalha, António Lucas, a todos os que aceitaram participar e conviver nesta festa, caiu a noite e, com ela, o fim da festa.
Texto e Fotos: LMF

Partilhar/enviar/imprimir esta notícia:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.