>Fundação AIS publica relatório: Dificuldades dos sacerdotes no mundo

>Fundação AIS publica relatório: Dificuldades dos sacerdotes no mundo

>A Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) acaba de lançar um relatório sobre as dificuldades por que passam milhares de sacerdotes em todo o mundo, no cumprimento da sua missão, religiosa e social.
Em pleno ano sacerdotal, convocado por Bento XVI, a imagem dos padres tem sido fortemente prejudicada pela onda de escândalos divulgada e alimentada pela comunicação social. A Fundação AIS quer colocar-se ao lado dos padres, particularmente os mais necessitados, acreditando no seu trabalho e rezando por eles.

Muitos destes sacerdotes dão a sua própria vida pelos outros, ao serviço do bem comum, ajudando os mais pobres e desfavorecidos, promovendo a educação e o desenvolvimento integral das pessoas. Só em 2009, trinta sacerdotes morreram ao serviço da Igreja.

Na diocese sudanesa de El-Obeid, por exemplo, a Igreja esforça-se por criar uma nova estrutura social para a população local das montanhas Nuba e da região Twic, fortemente afectadas pela guerra. Pretende-se implementar aqui hospitais, infantários, escolas e centros de catequese, bem como diferentes iniciativas para a população. Para tal, precisa dos sacerdotes e religiosos que, por sua vez, necessitam de assistência diária: alimentação, cuidados de saúde e transportes para exercer o seu trabalho pastoral e social.

Sem a ajuda e o compromisso dos sacerdotes e religiosos, este projecto ao serviço da comunidade deixará de existir. Por isso, a Fundação AIS prometeu apoiá-lo com 25 mil euros.

A Fundação AIS nasceu concretamente como obra de apoio aos sacerdotes e faz dessa preocupação uma prioridade, com ajuda de subsistência, formação de seminaristas e formação contínua de padres, apoio ao trabalho pastoral, oferta de meios de transporte, construção das capelas, igrejas, seminários e casas paroquiais, difusão de bíblias e material catequético, entre outros.

Neste ano sacerdotal, continua a promover uma campanha de adopção de padres através da oração. Todos os padres do Haiti foram apadrinhados pelos benfeitores portugueses da Fundação AIS, mas também muitos padres da Nigéria, de Moçambique, do Uganda e de tantas outras partes do mundo. Como parte da mesma campanha, a AIS está a lançar um terço sacerdotal, benzido pelo Papa Bento XVI, juntamente com o livro “Pensamentos sobre o Sacerdócio” também escrito por ele. Os pedidos podem ser feitos em www.fundacao-ais.pt.

Corrente de oração e de Missas pelo êxito da visita de Bento XVI

A Fundação AIS está também a propor “uma corrente de oração e de celebração de Santas Missas” pelo êxito da visita do Papa e como forma de apoiar Bento XVI diante do que qualifica como “ataques injustos”. A campanha teve início no aniversário do Santo Padre, dia 19 de Abril, e estará patente durante os próximos dias até à sua chegada a Portugal. A AIS considera que o Papa, mais do que ninguém, tem combatido e condenado os alegados crimes de abuso sexual por parte de sacerdotes sobre menores. Assim, os ataques de que tem sido alvo “deixam transparecer uma cultura de desconfiança que, para além de Bento XVI, pesam sobre todos os sacerdotes e sobre a Igreja, da qual todos fazemos parte”. No quinto aniversário da eleição do Cardeal Joseph Ratzinger, a organização católico diz que o actual pontificado tem sido uma verdadeira “cruz” para o Papa, “verdadeiro mártir de Cristo”.

Através da celebração de Missas, a Fundação AIS responde ao apelo do Cardeal Cláudio Hummes, prefeito da Congregação para o Clero, de 15 de Abril de 2010: “Ofereçamos ao nosso muito amado Papa Bento XVI a nossa solidariedade, o nosso apoio, a nossa confiança e a nossa comunhão incondicional”. A corrente de oração e a celebração das Missas pelo êxito da visita de Bento XVI surgem assim como “forma de agradecimento e de apoio”, dando testemunho de “confiança inabalável” no Papa. O site da Fundação AIS disponibiliza um formulário para pedir a celebração de Missa com esta intenção.

Fundação AIS

Em todo o mundo existem milhões de pessoas que sofrem perseguição religiosa. Ajudar quem passa por estas situações e informar a opinião pública sobre as mesmas tem sido o mote da acção da AIS, uma organização dependente da Santa Sé cujo objectivo é apoiar projectos pastorais nos países onde a Igreja Católica está em dificuldade. A Organização tem secretariados nacionais em 17 países da Europa, na América e na Austrália, apoiando mais de 5.000 projectos todos os anos em cerca de 130 nações de todos os continentes.

tel. 21 754 40 00
http://www.fundacao-ais.pt/
info@fundacao-ais.pt

Partilhar/enviar/imprimir esta notícia:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.