>Como foi o “Limpar Portugal” no Concelho da Batalha

>Como foi o “Limpar Portugal” no Concelho da Batalha

>Cerca de 60 voluntários recolheram 18 toneladas de lixo
Tal como sucedeu de Norte a Sul do País, a Câmara Municipal da Batalha associou-se à iniciativa “Limpar Portugal”. Este movimento pretendeu, através da participação cívica, promover a comunicação e a reflexão sobre a problemática dos resíduos, do desperdício, do ciclo dos materiais e do crescimento sustentável.

Previamente, com a colaboração das Juntas de Freguesia, foram identificados os locais onde existiam depósitos ilegais de resíduos, sendo a maioria deles constituídos por resíduos de construção e demolição, vulgo entulho. Após esta identificação, os locais foram agregados em grupos, consoante a sua proximidade, de modo a facilitar a posterior recolha.

Na sexta-feira, dia 19 de Março, foram colocados pela Ecomais contentores de resíduos, de 7 e 15 m3 de capacidade, em cada freguesia do Concelho.

Para esta iniciativa, o Município teve a colaboração da Suma, que disponibilizou duas viaturas de recolha e forneceu 400 sacos de plástico, da Simlis, com a disponibilização de duas carrinhas de 3500 kg para auxiliar no transporte dos resíduos, da Ecomais, que disponibilizou 6 contentores e 20 big-bags, e do Agrupamento de Escolas, Escola Secundária da Batalha, Colégio de São Mamede, Centro de Estudos Derivada & Primitiva, na divulgação da iniciativa. Também a autarquia forneceu luvas e sacos a todos.

O dia 20 de Março amanheceu chuvoso e sombrio, o que fez com que muitos dos voluntários, graúdos e miúdos, ficassem em casa. No entanto, o concelho da Batalha teve cerca de 60 participantes que, mesmo com as fortes chuvadas que se fizeram sentir, não desistiram e deram o seu melhor.

Na recolha efectuada, tal como assistimos em todo o País, viu-se de tudo: colchões, pneus, armários, fogões, computadores, entre outros. Enfim, um cenário “lamentável”, que demonstra que ainda existe muito a fazer na área da sensibilização ambiental. Quanto aos resíduos recolhidos, estes totalizaram 16,92 toneladas, encaminhadas para a Valorlis, e uma tonelada de pneus, enviados para a Ecomais. Deste modo, cada voluntário recolheu cerca de 300 kg de resíduos!

Foi com a colaboração, esforço e motivação de todos que foram conseguidos estes resultados. Essa colaboração deve continuar, sobretudo continuando alerta e evitando que esta iniciativa não volte a ser necessária. Assim, sempre que vir qualquer despejo ilegal de resíduos, contacte a Câmara Municipal (244769110) ou o SEPNA – Serviço de Protecção da Natureza e Ambiente, pela linha SOS Ambiente 808 200 520.

Lembramos ainda que a Câmara da Batalha garante a recolha gratuita à porta de casa de todos os monos/monstros (frigoríficos, colchões, televisores, sofás, etc.), através da SUMA. Por isso, por favor, utilize o serviço e não penalize o ambiente e as nossas paisagens. Todos nós agradecemos e, acima de tudo, Portugal e o Planeta!

Joana Amaro

Onde colocar… “lixos especiais”!?

Para além da colocação dos resíduos urbanos devidamente acondicionados nos locais e datas apropriados, e ainda da separação de plástico/metal, papel/cartão e vidro nos respectivos ecopontos, surge muitas vezes a questão de onde colocar alguns “lixos especiais”.

Actualmente, no nosso País, existe solução para praticamente todo o tipo de reciclagem, com recolha gratuita. Caso tenha dúvida em relação a determinado tipo de lixo, esclareça-se junto do Gabinete Ambiental da Câmara (244769110).

Deixamos alguns exemplos e modos de proceder.

• Óleos alimentares – Procure os oleões que possam existir nas Juntas de Freguesia ou num restaurante da sua área de residência. Em caso de impossibilidade, coloque os óleos numa garrafa ou garrafão de plástico, feche bem e deposite no contentor de resíduos normais. Nunca coloque óleos no esgoto ou linhas de água, pois a contaminação é enorme e o tratamento nas ETAR é difícil e dispendioso.

• Pilhas usadas – Deposite nos pilhões existentes nas Juntas de Freguesia e em diversos estabelecimentos comerciais.

• Resíduos domésticos volumosos – Caso tenha mobílias, electrodomésticos ou outros objectos volumosos fora de uso, solicite a sua recolha gratuita, através do telefone 244 766 077. Irão indicar-lhe o dia em que será feita a recolha, para que nessa data coloque o objecto junto do contentor de lixo mais próximo de sua casa.

• Resíduos verdes / compostagem doméstica – Pequenos resíduos verdes de jardinagem ou “restos de alimentos vegetais” podem ser aproveitados para produção de fertilizante natural. Para habitantes em moradia com jardim, solicitar à Valorlis a entrega gratuita de um compostor, pelo telefone 244 575 540.

• Resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos (REE) – Podem ser entregues na Estação de Transferência de Alcanadas ou na Valorlis, em Leiria. Se comprar equipamentos novos, entregue os REE usados ao estabelecimento comercial onde faz a compra.

• Lâmpadas fluorescentes – Podem ser entregues na Estação de Transferência de Alcanadas ou na Valorlis. Na compra de novas, entregar no acto as lâmpadas usadas.

• Medicamentos fora de prazo, radiografias ou seringas – Entregue numa farmácia.

E agora… “Plantar Portugal”!

No seguimento do “Limpar Portugal”, outro movimento está a nascer, com a designação “Plantar Portugal”.

Lançado com o desafio inicial de levar os cidadãos a plantarem uma árvore no dia 21 de Março, estendeu-se agora à mobilização para fazer de 23 a 28 de Novembro a Semana da Reflorestação Nacional, apelando à participação dos municípios e de voluntários para “plantar com respeito pela biodiversidade e pelas espécies autóctones”.

De acordo com Hélio Lopes, um dos promotores da iniciativa, a organização pretende começar a criar bancos de árvores por concelhos e por equipas que serão posteriormente utilizadas na Semana da Reflorestação Nacional. O Instituto da Conservação da Natureza e Biodiversidade apoia este movimento, que instituiu também este ano o Prémio Arvore de Cristal, atribuído ao arquitecto paisagista Gonçalo Ribeiro Teles.

No sítio da iniciativa, em http://plantarportugal.org, pode consultar-se toda a informação e fazer-se o registo, no grupo do respectivo distrito. Aí se pode ler o seguinte manifesto: “Precisamos urgentemente de restituir à natureza as árvores que dela fomos retirando. Protejamos as árvores, aquele que é o nosso mais íntimo contacto com a natureza e que nos dá o ar que respiramos. As florestas fornecem não só protecção ao meio ambiente, mas também significantes ganhos e sustento global para mais de um bilião de pessoas dependentes das florestas. As Árvores fornecem uma grande gama de produtos (madeira, frutas, medicamentos, bebidas, forragem) e serviços (sequestro de carbono, sombra, embelezamento, controle de erosão, fertilidade do solo). Sem árvores a vida humana seria insustentável. As florestas e as árvores desempenham também um importante papel oferecendo oportunidades de recreação e conforto espiritual às sociedades modernas. Elas são poderosos símbolos universais, uma expressão física da vida e da continuidade histórica”.

Portanto… o convite está feito!

Visite e inscreva-se no sítio da iniciativa, em http://plantarportugal.org/.

Partilhar/enviar/imprimir esta notícia:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.