>Concurso “7 Maravilhas Naturais de Portugal” – Grutas de Mira de Aire são finalistas

>Concurso “7 Maravilhas Naturais de Portugal” – Grutas de Mira de Aire são finalistas

>As Grutas de Mira de Aire estão no grupo dos 21 finalistas do Concurso “Sete Maravilhas Naturais de Portugal”, seleccionados de uma lista inicial de 323 candidatos.
O Jornal da Golpilheira teve ocasião de efectuar uma visita àquele monumento natural, no passado dia 22 de Fevereiro, no âmbito de um convite do Município de Porto de Mós à imprensa. A visita começou pelas grutas de Alvados, descobertas no ano de 1964, tendo sido apresentadas as suas principais características pelo administrador do espaço, Carlos Galamba. A entrada foi em tempos um abrigo para os pastores. Têm diversos algares, com ligações naturais, ricos em estalactites e estalagmites, formadas pela água ao longo de milhares de anos. A gruta tem muitas infiltrações, o que a beneficia e lhe dá muita vida. É um local que merece ser admirado.

Já nas grutas de Mira de Aire, ainda mais imponentes, o seu responsável, Carlos Alberto Jorge, descreveu pormenorizadamente toda a dimensão e informou sobre a contínua descoberta de novos espaços. A gruta foi descoberta em 1947, num ano talvez bastante seco, segundo o guia, já que pela abertura, e devido à diferença de temperatura entre o ar livre e a gruta, se libertava vapor de água. Aqui passa água que abastece vários rios da região. A gruta está implantada numa área de 11.300 m2, percorrendo os concelhos de Porto de Mós, Alcanena e Batalha. Apenas podem ser visitados cerca de 600 m2, uma vez que a outra parte se encontra submersa. Desde a sua descoberta até agora, já as visitaram cerca de oito milhões de pagantes e juntando as visitas gratuitas, nomeadamente por parte de escolas, rondarão os dez milhões. A galeria que podemos visitar tem cerca de 110 metros de profundidade e para a percorrer é necessário descer 683 degraus. A temperatura mantém-se constante, de Verão e de Inverno, nos 17 graus, o que significa que a amplitude térmica é zero.

Depois das visitas, a conferência de imprensa foi realizada nas próprias grutas de Mira de Aire, a 80 metros de profundidade, onde a serenidade é intensa, interrompida apenas pelo escorrer das águas límpidas e pelas gotas que vão caindo do tecto. Intervieram ambos os responsáveis e ainda João Salgueiro, presidente da Câmara Municipal de Porto de Mós, David Catarino, presidente da Entidade Regional de Turismo Leiria-Fátima (ERTL-F), e Olímpio Martins, espeleólogo do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros (PNSAC).

O presidente da autarquia começou por salientar a “obrigação de preservar” estes tesouros naturais, destacando a importância de as divulgar com mais ênfase, dado o papel que têm no desenvolvimento turístico do nosso país, em geral, e da ERTL-F e do concelho de Porto de Mós, em particular. Frisando o “excelente desempenho dos responsáveis e guias”, tanto em Alvados como em Mira de Aire, defendeu uma especial atenção “para que estas belezas não sejam afectadas, quer pela construção, quer pelo desvio de águas; isto é uma obra-prima da natureza, só possível porque temos água e um maciço calcário cuja aglutinação dá estas bênçãos”. A este propósito, João Salgueiro informou ainda ter outras iniciativas em curso, em parceria com outros organismos locais, tais como um concurso de fotografia e acções de divulgação, não só no território nacional, mas também com maior afinco no estrangeiro.

Voltando à questão do turismo, David Catarino começou por lembrar que esta é “uma actividade económica que gera riqueza através da grande diversidade de recursos” e afirmou que, nesse contexto, “a selecção destas grutas para o concurso das “7 Maravilhas Naturais de Portugal” é justa.

O espeleólogo Olímpio Martins falou ainda na geodiversidade destas regiões calcárias, onde a água é extraordinariamente importante, afirmando que a sua abertura ao público é um contributo para a valorização do património natural.

Como ideia geral, defendida aliás por Carlos Galamba, ficou a de que as três grutas da região devem trabalhar em conjunto, “pois a união faz a força”. Embora valorizando cada uma na sua especificidade, o responsável das grutas de Alvados reconheceu que as de Mira de Aire “são o maior expoente da beleza natural”, pelo que, “não podendo ser as duas, estas têm condições e monumentalidade para serem uma das “7 Maravilhas de Portugal”.

Resta lembrar que os interessados em contribuir para esta eleição devem registar-se em http://www.7maravilhas.sapo.pt/ e votar até dia 7 de Setembro 2010. Poderá, ainda, ligar para o 760 302 709 (0,60€ + IVA) ou enviar um SMS com o número 709 para 68933 (0,50€ já com IVA).

Manuel Carreira Rito

Partilhar/enviar/imprimir esta notícia:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.