>Contra a pobreza, tu podes ser a diferença

>Contra a pobreza, tu podes ser a diferença

>Semana de Sensibilização de luta contra a Pobreza em Leiria

Leiria foi palco de uma Semana de Sensibilização de Luta contra a Pobreza, de 17 a 24 de Outubro, com o lema “Contra a pobreza, tu podes ser a diferença”. Organizada pelo Grupo Missionário Ondjoyetu, da diocese de Leiria-Fátima, a semana foi planeada pelo padre Vítor Mira, para sensibilização da comunidade local para esta temática. “Temos tido o apoio, tanto das pessoas que compõe o grupo, como das entidades locais, a Câmara Municipal de Leiria principalmente”, disse-nos Clara Neves, membro do grupo missionário Ondjoyetu.

Foi no contexto do Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza, celebrado no dia 17 de Outubro, que surgiu esta iniciativa. Este dia é normalmente utilizado como forma de protesto pela defesa dos direitos humanos e pelo combate à pobreza do mundo. Para tal, foi montada uma tenda no Largo do Papa, onde funcionou um barómetro de perguntas para interagir com os leirienses, de forma a “chegar-lhes ao coração”. Com uma versão para adultos e outra para crianças, as questões eram, respectivamente: “Quais as causas da pobreza?” e “O que podes fazer pelos meninos mais pobres?”.

Quanto aos adultos, os resultados foram os seguintes: má distribuição da riqueza e corrupção, 278 (43,32%); desemprego, 115 (17,85%); falta de acesso a cuidados de saúde e educação básica, 74 (11,49%); consumismo e má gestão familiar, 65 (10,09%); individualismo e exclusão social, 55 (8,54%); degradação ambiental, 26 (4,03%); outros, 30 (4,65%).

Quanto às crianças, as respostas foram as seguintes: poupar dinheiro para ajudar os outros, 135 (28,18%); não estragar comida, 134 (27,97%); cuidar e poupar material e brinquedos, 89 (18,58%); aproveitar o que aprendo para ajudar os outros, 79 (16,49%); outros, 42 (8,77%).

Na mesma tenda fun-cionou uma mostra de artesanato de Angola e duas exposições fotográficas “Ser Jovem no Gungo” e “Crianças do Gungo”, que deram a conhecer um pouco a missão que a nossa diocese mantém no Sumbe.

Um dos momentos mais altos teve lugar no dia 19, com o espectáculo “Por um Mundo Melhor”, interpretado gratuitamente pela “Academia de Ballet e Dança Annarella” no Teatro Miguel Franco, cujos lucros reverteram a favor da ADAV.

No sábado, teve lugar o XI Encontro Nacional do Voluntário Missionário que contou com a presença de cerca de 80 pessoas em representação de 17 entidades que trabalham com voluntariado missionário em diversos países, principalmente em Portugal e nos PALOP. Um encontro que terminou com a celebração da missa na igreja do Espírito Santo, presidida por D. Serafim Ferreira e Silva.

Dados da pobreza

Apesar de esforços como este, ao longo das décadas a desigualdade entre ricos e pobres continua a aumentar. Mais de 3 mil milhões de pessoas não têm uma vida digna por causa da pobreza, agravada pela fome, doenças, analfabetismo e discriminação.

Segundo os dados da Comissão Europeia, o desemprego elevado ocupa grande parte da responsabilidade nas razões que levam à pobreza em Portugal, seguido dos baixos salários, falta de educação e formação, pobreza “herdada” e toxicodependência.

Analisando dados mais recentes, 17,9% da população portuguesa vive em risco de pobreza, sendo que 1,8 milhões de pessoas não têm rendimentos necessários para uma vida sem privações.

As crianças e os desempregados são os grupos mais vulneráveis à pobreza. “Com o aumento do desemprego é de esperar que haja um agravamento do risco de pobreza neste grupo”, refere Isabel Baptista, investigadora do Centro de Estudos para a Intervenção Social. Aqueles que tinham salários precários e se viram em situação de desemprego vão receber subsídios muito baixos e são estes os casos mais graves.

Toda a sociedade é responsável por mudar este cenário, é indispensável mais ajuda. Não custa contribuir e fazer a diferença.

Ângela Susano

Exposição fotográfica também na Batalha
“O que é para si a pobreza?”
A questão foi lançada pela Rede Europeia Anti-Pobreza/Portugal a vários cidadãos do distrito de Leria e serviu de mote a uma campanha de sensibilização contra a pobreza e a exclusão social. O projecto “O que é para si a pobreza?” contou com a parceria de várias autarquias e outras entidades, com o desafio de receber respostas através de imagens fotográficas que abordassem as várias necessidades da sociedade actual e sensibilizassem a população para a luta por esta causa.
A iniciativa teve início a 11 de Maio e termina agora com a recolha das fotografias numa exposição itinerante que chegará aos concelhos envolvidos, inaugurada no castelo de Porto de Mós a 25 Outubro.
A próxima exibição desta mostra será na Batalha, na Galeria Mouzinho de Albuquerque, de 3 a 7 de Novembro, a visitar entre as 14h00 e as 18h00.
Depois seguirá para a Biblioteca da Marinha Grande (9 a 13 de Novembro), Câmara Municipal de Pombal (16 a 21 de Novembro) e Teatro José Lúcio da Silva (23 a 28 de Novembro).

Caritas associa-se à campanha
“Acabar Com a Pobreza Já!”
A Caritas Portuguesa e o conjunto das suas organizações diocesanas estão a associar-se a uma campanha de recolha de assinaturas para a campanha “Acabar Com a Pobreza Já!”, que está a decorrer na Internet. “O tempo presente reclama a nossa incondicional participação em tudo o que seja para defender a dignidade dos pobres; esperamos por isso vir a recolher muitas folhas com assinaturas, até ao fim deste mês”, refere o presidente da Caritas nacional, Eugénio Fonseca.
No sítio http://www.caritas.pt/ está disponível o link para a votação online e o modelo que pode ser impresso ou fotocopiado em papel. Qualquer pessoa pode assinar, desde que não o tenha feito anteriormente pela via electrónica. O mesmo pode ser feito no site a campanha, onde se encontram todos os materiais sobre a mesma, em http://www.acabarcomapobrezaja.org.pt/.  A recolha de assinaturas decorre até ao final do mês de Novembro.

Partilhar/enviar/imprimir esta notícia:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.